ROSAS - MANCHA FOLIAR E FERRUGEM - Auxiliar de controle na incidência de manchas foliares e ferrugem ((Phragmidium rosae-pimpinellifoliae)30ml

Código: 5CBYETFC8 Marca:
R$ 39,90
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 39,90 sem juros
    • 2x de R$ 19,95 sem juros
    • 3x de R$ 13,30 sem juros
    • 4x de R$ 9,98 sem juros
    • 5x de R$ 7,98 sem juros
    • 6x de R$ 6,65 sem juros
    • 7x de R$ 5,70 sem juros
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

FÓRMULA 100% NATURAL, NÃO OFERECE RISCOS A HUMANOS E ANIMAIS, HOMEOPÁTICO.

APLICAR 1 VEZ POR SEMANA NA ÉPOCA DE INCIDÊNCIA DE FERRUGEM E MANCHAS FOLIARES

DOSE: 20 GOTAS EM 1 LITRO DE ÁGUA E PULVERIZAR, FOLHAS, CAULE E SOLO NA PROJEÇÃO DA COPA.

Ferrugem das roseiras

(Phragmidium rosae-pimpinellifoliae)

Culturas Afetadas: Cravo, Gladíolo, Plantas ornamentais, Rosa

A ferrugem das roseiras é uma doença de rara constatação, pois atualmente a maioria das variedades cultivadas é resistente. O fungo ocorre nas folhas e outras partes verdes debilitando a planta e comprometendo seu valor ornamental. Em casos de maior severidade, causa desfolha.

A ocorrência da doença é favorecida com tempo quente e úmido, sendo que esse é o clima predominante durante quase toda a fase vegetativa das roseiras. Ocorre em todo o mundo e, no Brasil, está presente nos estados da Regiões Nordeste, Sul e Sudeste.

Danos: A ferrugem das roseiras provoca queda das folhas no estágio mais severo. Causando também enfraquecimento da planta, queda de produção e predisposição ao ataque de outros patógenos. São os órgãos mais comumente infectados, caracterizando-se pelo aparecimento de manchas cloróticas amarelas ou avermelhadas na face superior. Na face inferior há a formação de numerosas pústulas que produzem uma grande quantidade de esporos (uredosporos) que são visualizados como um pó amarelo/alaranjado que cobre grande parte da folha. Em estágios mais adiantados da doença aparecem pontuações escuras ou negras nas pústulas, devido a formação de esporos sexuais (teliósporos). Podem aparecer pústulas em pecíolos, estípulas, receptáculos, sépalas e ramos novos.

Controle: Uso de variedades resistentes é a medida mais efetiva de controle. Em cultivares menos resistentes deve-se realizar podas com a eliminação e destruição das partes afetadas, recolhimento e queima das folhas caídas; espaçamentos mais largos entre as linhas de cultivo, podas de forma a deixar as plantas abertas, arejadas e ensolaradas, adubação rica em Fósforo e Potássio. Nos caso de repetidos surtos da doença, realizar rotação de cultura.

R$ 39,90
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
Selos
  • Site Seguro

Patrezi Manipulação Farmacêutica Ltda - CNPJ: 07.508.059/0001-34 © Todos os direitos reservados. 2021